MICHELLE Araújo.
Amar os pais... Amar a família... Amar a mãe... Ou o pai...
Venho como primeira publicação abordar um tema polêmico, porém mais verdadeiro e frequente do que muitos pensam. 
Vemos na TV e pessoalmente alguns modelos de família onde é "horroroso" um não gostar do outro.
Mas esse "causo" acontece diversas vezes e por séculos. 
Quantos filhos odeiam/ não suportam, suas mães? E as mães não são vítimas...
Quantas mães odeiam/maltratam seus filhos?  E assim a família em diante.
Primeiro precisamos entender que não é regra obrigatória uma mãe amar seu filho. Por que? Por que a mulheres têm a natureza de ter filhos (questão divina e natural)... Mas isso não significa que elas tenham vocação para cuidar depois que as novas vidas venham ao mundo. 
Antigamente mulher boa era aquela que cuidava da casa, do marido e dos filhos de uma forma exemplar. Antigamente era quase caso de morte, se algum filho alegasse não gostar da mãe. Mas os maus tratos da mãe ou pai, não eram vistos tão mal assim...
O que mais temos são vizinhos intrometidos e parentes intrometidos que mal sabem o que se vive dentro daquela casa e ficam dando opinião: dando razão para os pais ou para os filhos.
Mas a base familiar já vem se declinado por uma causa, na qual poucos citam : o amor esgotado. 
Hoje em dia, o amor foi banalizado. Não temos mais um formato social onde a família é a base de tudo. Isso por que falhamos. Todos nós falhamos. Falhamos em novos métodos de educar, em não ter humildade, no egoísmo... Mas o que isso tem a ver? 
A família passou por um processo de modernização. Não havia mais aquele sentido em que ali era uma comunidade onde todos trabalhavam para o bem comum. Cada um por si, tornou-se. 
Os pais não pensavam mais nos filhos. Só nos seus interesses. Que tinham que sair, que tinham que namorar (talvez), que tinham que se mostrar para a outra família rica, que tinham que viver, que suas ordens eram aquelas mesmas e eram boas demais. 
Os pais não pensavam mais nos sentimentos dos filhos, que eram seres humanos, e que nem os filhos e nem eles pediram para estar ali. Supriam as necessidades materiais (se suprissem...) por obrigação, por que não tinha jeito... Mas o amor, que tudo suporta, que tudo quer bem, não estava mais ali.
Só os seus interesses...
Os filhos, não pensavam mais nos pais. Por que? Por que eles não pensaram neles quando eram mais jovens... O que é isso? Retribuições de sentimentos... 
Quem falhou, os pais ou os filhos? Todos. Todos nós falhamos... 
Conheço pessoas que depois de adultas, casadas, se afastaram de forma tremenda dos pais. Porque não suportavam mais fingir, por que alquilo os matava, enchia de mágoas, ódio... 
As vezes só a distância pode resolver problemas assim. Mas ela têm consequências também, que dependendo do caso, não são negativas... 
O que dizer de uma mãe que trata mal seu filho?
Bom, isso para os moralistas é conversa que não acaba mais... Cheios de argumentos, alguns desacreditam que uma mãe pode não amar um filho. ERRADO. Isso é muito comum... Pela falta de amor que presenciamos no âmbito social, é claro que algumas mães podem não estar aptas para a vocação.
Mães que pariram e jogaram seus filhos no lixo, amavam-os? Não existe dinheiro, ou falta de recursos que justifique essa ação. Conheço mães que vivem quase na miséria, mas ao invés de terem jogado seus frutos no lixo ou matado elas mesmas, elas lutaram e criaram todos. Só o fato de pari-los é suficiente para amarmos, até por que, um acontecimento tão determinante merece atenção.  
Mães ou pais assim, precisam de tratamento.
O que dizer dos filhos que tratam mal os pais?
Ai eu diria que depende... Geralmente uma ação causa uma reação. Precisamos saber se é uma ação independente ou se foi uma reação de algo que passaram, passam. Ensinamentos verdadeiros raramente causam repulsa nos filhos. Essa afirmação é mais verdadeira do que aparenta: quando falo de ensinamentos verdadeiros, falo de ensinamentos sem hipocrisia. O que adianta uma mãe dizer que é errado se prostituir para a filha, mas ela mesma fazer isso? O que adianta um pai dizer para seu filho que não se deve roubar, e que não se pode desrespeitar os pais, mas ele mesmo roubar e desrespeitar seus pais? Qualquer pessoa ficaria intrigada em não poder fazer uma coisa, cujo a outra define errada mas ela mesma pratica.
Devemos analisar os filhos. muitas vezes não gostar dos pais ou da família é algo independente. Mas outras vezes tem sérios motivos. Mas mesmo assim, temos que tolerar uns aos outros, mesmo sendo nós os certos e eles os errados. Mas isso não significa que devemos sofrer. Se há possibilidade de sair da onde se sofre é uma ótima opção. Mas se você for o provedor da casa, ou seja, você é o filho ou filha que tem a responsabilidade de cuidar do pai ou da mãe de quem você têm problemas de relacionamento, o certo é resolver esses problemas não só internamente, mas externamente também. Com a pessoa diretamente ligada na situação, por que se você terá que  conviver com seus pais depois de adulto ou até jovem cuidando deles, por falta de opção, ou você resolve o negócio ou cuida dele ou dela como se fosse somente por obrigação. Massssssssss... Longe do motivo que o torna infeliz é mais fácil de ser feliz. Tanto se você estiver na categoria de pais ou filhos.
OBS: Parentes intrometidos por favor, parem de se meter em assuntos familiares que não são de sua conta. Uma família é constituída por pai, mãe e filhos... Não vizinhos, tios, tias, ou amigos que se acham parentes. Vamos deixar as mães e filhos, pais e filhos, mães e pais se resolverem, não achar que temos a solução para o problema doa outros. E os nossos? Devemos lembrar que ter alguém para resolver nossos problemas seria bom, mas que alguém só para se intrometer... 
0 Responses

Postar um comentário